Casalua na FLIC!

Todos os anos nós participamos da FLIC | Feira Literária de Cruzeiro. O evento acontece no Museu Major Novaes, que por sinal está incrível, movimentado e cada vez mais acessível. Trabalho incansável e fantástico da diretora/ historiadora Claudia Ribeiro.

Um orgulho grande da nossa cidade menina!

Nossas singelas contribuições na programação: algumas conversas mediadas pela nossa editora cruzeirense, Mariana Bastos. 

Sexta-feira | 04 de outubro

 17h

Ler para ser e crescer: diálogos sobre a literatura na infância e na juventude.

Participantes: Renato Passarinho e Rodolpho Oliveira

Mercado x educação. Livrarias x salas de aula. Best-sellers x clássicos.

Um professor de língua portuguesa e um editor de livros apresentam os embates na formação de leitores e o papel da literatura na infância e na juventude.

 

Sábado | 05 de outubro

11:30h

A literatura e o medo na terra fantástica chamada Vale do Paraíba

Participantes: Eduardo Werneck, Edmundo de Carvalho e Diego Amaro de Almeida.

 A literatura fantástica não tem nada a ver com a fuga da realidade, ao contrário do que muita gente pensa. Essa afirmação faz mais sentido no Vale do Paraíba – terra onde todo dia é dia de história, como afirma o historiador Francisco Sodero. Nesse cenário fantástico, as assombrações e os lugares assombrados são elementos comuns. Favorecidos pela escuridão noturna no ambiente rural ou semi-rural, o medo é parte fundamental no processo criativo de escritores da região, como os que compõem esse bate-papo. Edmundo de Carvalho, Eduardo Werneck e Diego Amaro de Almeida falam sobre a literatura fantástica, a herança das histórias de outras gerações e como ainda estão vivas e atuantes no imaginário popular.

16:30h

Vida Inventada| Escrita real

A linha tênue entre a ficção e a realidade na cabeça de um autor.

Participantes: Tiago Feijó e Robson Hasmann

Na literatura, como se trama a relação entre realidade e ficção? Nessa questão está a potência e a força da literatura. Como afirma o escritor José Castelo: Em um mundo cheio de certezas, em um mundo que se vangloria de suas verdades, em tempos arrogantes e cheios de si, a literatura nos oferece a incerteza como valor central.  A partir das suas obras mais recentes, Tiago Feijó, finalista do prêmio SP de literatura (Diário da Casa Arruinada) e Robson Hasmann, vencedor do prêmio Eugênia Sereno de literatura (Erro e surpresa), debatem sobre os limites da ficção e respondem: onde está a realidade?

Museu Major Novaes: Av Jorge Tibiriça, Centro – Cruzeiro – SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *