Essa tal de Dona Ruth…

“Quem é Ruth Guimarães?”

Nós gostamos de ficar no quintal da Dona Ruth (sempre aberto) proseando e tomando café nas tardes de Casa da Ruth. Nas andanças com a Livraria do Vale, não cansamos de dizer: Olá, temos livro da Dona Ruth. Bate uma ponta de felicidade quando o leitor já conhece. Bruxa, fada, mulher, negra, caipira… Afinal, quem foi essa tal de Dona Ruth?

Ruth Guimarães Botelho nasceu em Cachoeira Paulista, no dia 13 de junho de 1920, no sítio do avô materno, o português José Botelho, guarda-chaves da Estrada de Ferro Central do Brasil, na rua do Aterro, atual Carlos Pinto, entre as barrancas do rio Paraíba e os trilhos da estrada de ferro. Aos 10 anos de idade, publicou seus primeiros versos nos jornais locais A Região e A Notícia.

Foi viver em São Paulo em 1938. Ingressou no curso de Letras Clássicas da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, onde foi aluna de Silveira Bueno, Antônio Soares Amora, Fidelino de Figueiredo, Roger Bastide e outros mestres de renome internacional. Ali conheceu Odilon Nogueira de Matos, então secretário da faculdade, e foi colega de estudos de Erwin Rosenthal e Emir Macedo Nogueira.

Frequentou a Escola de Arte Dramática, de Alfredo Mesquita, estudando Dramaturgia e Crítica. Foi aluna e discípula de Mário de Andrade, que a iniciou nos estudos de folclore e literatura popular. Trabalhou para diversas editoras como revisora e tradutora e escreveu crônicas, artigos e críticas literárias para jornais e revistas de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Lisboa: Correio Paulistano, A Gazeta, Diário de São Paulo, Folha da Manhã. Publicou contos no Suplemento Literário do jornal O Estado de São Paulo e crônicas semanais no jornal Folha de São Paulo.

Produziu vários livros e traduções para a Editora Cultrix, onde trabalhou ao lado de José Paulo Paes. Foi repórter das revistas Noite Ilustrada, Carioca, Globo, Semana Ilustrada, Senhora, Quatro Rodas, Realidade, Atualidades Literárias e Revista Lusitana (Portugal). Em 1946, lançou pela Editora da Livraria Globo seu primeiro livro, Água funda, romance que retrata o universo rural e caipira do Vale do Paraíba paulista e mineiro, nas vertentes da serra da Mantiqueira, sucesso de público e crítica. Um dos primeiros críticos a lhe dar atenção foi Antonio Candido, que foi seu amigo e assinou o prefácio da reedição lançada pela Editora Nova Fronteira em 2004.

No lançamento de Água funda, estiveram presentes personalidades como Amadeu de Queiroz, Guimarães Rosa e Lygia Fagundes Telles. Seu segundo livro, Filhos do medo, ampla pesquisa folclórica sobre o diabo e todas as manifestações demoníacas no imaginário do homem valeparaibano, valeu-lhe um verbete na Encyclopédie Française de la Pléiade, sendo Ruth Guimarães a única escritora latino-americana a receber essa distinção.

Lecionou em colégios e faculdades: Francês na Aliança Francesa de São Paulo, Grego na Universidade de Taubaté, Folclore na Faculdade de Música Santa Cecília de Pindamonhangaba, Psicologia da Arte e Literatura Latina nas Faculdades Integradas Teresa D’Ávila em Lorena e Literatura Brasileira e Portuguesa na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cruzeiro.

Pesquisou durante mais de 30 anos as ervas e raízes medicinais e deixou preparada uma enciclopédia em doze volumes sobre medicina natural. Fundou a Academia Cachoeirense de Letras, o Museu de Folclore Valdomiro Silveira e a Guarda Mirim de Cachoeira Paulista. Participou ativamente do 1º Congresso Brasileiro de Folclore, da Sociedade Paulista de Escritores, do Centro de Pesquisas Folclóricas Mário de Andrade, da Comissão Estadual de Folclore e dos Festivais de Folclore de Olímpia.

Ruth Guimarães Botelho

Foi membro do Instituto de Estudos Valeparaibanos e da União Brasileira de Escritores. Em 1989, recebeu do Instituto de Estudos Valeparaibanos o Prêmio Cultural Eugênia Sereno. Além de ter publicado mais de 40 livros, incluindo biografias, antologias e traduções do latim, do espanhol, do francês e do italiano, Ruth Guimarães participou da montagem da peça “Romaria”, dirigida por Miroel Silveira, com músicas de Almir Sater e Renato Teixeira. O Grupo de Teatro do Sesc de São Paulo encenou a peça de sua autoria “A pensão de Dona Branca”.

Depois de aposentada, voltou a residir em Cachoeira Paulista, no sítio herdado de seu avô materno, onde cuidava das suas plantas, galinhas e patos, pesquisava e escrevia seus livros, contos e crônicas e recebia os amigos, alunos e admiradores para a prosa gostosa e hospitaleira. Terminou a mais completa pesquisa sobre Pedro Malazarte, o herói mitológico popular. Deixou incompleto um romance intitulado O livro da bruxa.

Foi casada por 51 anos com o primo, o fotógrafo e jornalista José Botelho Netto, amigo e companheiro de jornadas e pesquisas, morto em 2001. Tiveram nove filhos: Marta, Rubem, Antonio José, Joaquim Maria, Judá, Marcos, Rovana, Olavo e Júnia: poetas, jornalistas, professores. Em 2008 foi eleita para a Academia Paulista de Letras, da qual participou ativamente até pouco antes de sua morte, em 21 de maio de 2014.

Ruth e seu filho Joaquim Maria Botelho

Segundo seu filho Joaquim Maria, no prefácio do livro Crônicas valeparaibanas, lançado em 1998: “Ruth Guimarães vive dizendo que quer arranjar tempo para se dedicar à bruxaria… Ruth vive sem tempo, mas já é uma bruxa – a bruxa boa que o folclore valeparaibano representa nas suas histórias como a simpática velhinha que ensina o caminho às almas perdidas, que destrói com artimanhas geniais os monstros para deixar passar os príncipes que vão, por sua vez, salvar as princesas transformadas em rãs e as donzelas amaldiçoadas pelas feiticeiras malvadas. É assim que Ruth quer continuar vivendo neste Vale do Paraíba que ela conta e reconta nos seus escritos deliciosos, pesquisados com o carinho de quem garimpa brilhantes. Na sua calma de cachoeirense, Ruth vem abrindo a alma, há 78 anos, para ser o relicário vivo das informações e da cultura valeparaibanas…”

Para saber mais sobre Dona Ruth:

 

  • BIBLIOGRAFIA RESUMIDALIVROS
    • Água Funda. Porto Alegre: Edição da Livraria do Globo, 1946.
    • Filhos do Medo. Porto Alegre: Editora Globo, 1950.
    • Mulheres Célebres. São Paulo: Editora Cultrix, 1960.
    • As Mães na Lenda e na História. São Paulo: Editora Cultrix, 1960.
    • Líderes Religiosos. São Paulo: Editora Cultrix, 1961.
    • Lendas e Fábulas do Brasil. São Paulo: Editora Cultrix, 1972.
    • Dicionário da Mitologia Grega. São Paulo: Editora Cultrix, 1972.
    • O Mundo Caboclo de Valdomiro Silveira. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora/Secretaria de Cultura, Esportes e Turismo do Estado de São Paulo/Instituto Nacional do Livro, 1974.
    • Grandes Enigmas da História. São Paulo: Editora Cultrix, 1975.
    • Medicina Mágica: As simpatias. São Paulo: Global Editora, 1986.
    • Lendas e Fábulas do Brasil. São Paulo: Círculo do Livro, 1989.
    • Crônicas Valeparaibanas. São Paulo: Centro Educacional Objetivo/Fundação Nacional do Tropeirismo, 1992.
    • Contos de Cidadezinha. Lorena: Centro Cultural Teresa D’Ávila, 1996.
    • Vestuário São Paulo: Donato Editora Ltda., Volume II, s.d.
    • Esta é a segunda carta que lhe escrevo. In: Cartas a Mário de Andrade. Organização de Fábio Lucas. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1993.
    • Água Funda. 2. ed. Prefácio de Antonio Candido. São Paulo: Editora Nova Fronteira, 2004.
    • Calidoscópio: A saga de Pedro Malazarte. São José dos Campos: JAC Editora, 2006.

    TEATRO

    • A pensão de Dona Branca
    • Romaria

    TRADUÇÕES

    • Histórias Fascinantes, de Honoré de Balzac: seleção, tradução e prefácio. São Paulo: Editora Cultrix,1960.
    • Os Mais Brilhantes Contos de Dostoievski, de Feodor Mikhailovitch: introdução, seleção e tradução. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1966.
    • Contos de Dostoievski: introdução, seleção e tradução. São Paulo: Editora Cultrix, 1985.
    • Contos de Alphonse Daudet: seleção e prefácio. Tradução: Ruth Guimarães e Rolando Roque da Silva. São Paulo: Editora Cultrix, 1986.
    • Contos de Balzac: seleção, tradução e prefácio. São Paulo: Editora Cultrix, 1986.
    • Os Melhores Contos de Alphonse Daudet: seleção e prefácio. Tradução: Ruth Guimarães e Rolando Roque da Silva. São Paulo: Círculo do Livro, 1987.
    • Os Melhores Contos de F. Dostoievski: tradução, seleção e introdução. São Paulo: Círculo do Livro, 1987.
    • Os Melhores Contos de Balzac: seleção, tradução e prefácio. São Paulo: Círculo do Livro, 1988.
    • A Mulher Abandonada e outros contos de Balzac: seleção, tradução e prefácio. Rio de Janeiro: Ediouro, 1992.
    • Histórias Dramáticas, de F. Dostoievski: seleção tradução e prefácio. Sem identificação bibliográfica.
    • O Asno de Ouro, de Apuleio. Edições Ouro, s.d.
    • A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas Filho. Idem.
    • A Corrente, de Claras Cartas, do italiano. São Paulo: Editora Saraiva, s.d.
Texto: Joaquim Maria Botelho

Fotos: Botelho Neto em preto e branco e acervo pessoal da família

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *